sexta-feira, 9 de outubro de 2009

ANDROGINIA

Simples assim.
Acordou e não havia sequer uma carta de Adeus.
Ela se fora e levara com ela até as cartas de amor antigas. Até as canções.
Ele ficou horas e horas jogado na cama vazia, tentando imaginar o porquê.

Rastreou sua mente buscando por culpas, por falhas, e não as encontrou.
Lembrou cada palavra das ultimas conversas e não havia palavra torta. Os beijos tinham sido todos perfeitos. Os momentos, todos mágicos. Os toques, cada um deles intenso e avassalador.
Olhou também para os seus sentimentos por ela. Estavam todos ali, como sempre haviam estado. A única macula agora era a tristeza e essa dor aguda, no meio de tanto amor e desejo.
Ele estava perdido. Chorou e em seu choro perguntou-se se ela podia senti-lo. Se pudesse, ela saberia que há certas coisas que não se faz. Até um abandono é aceitável. É um direito de todo ser que ama deixar de amar. Mas abandono sem explicação é crueldade. E crueldade não é aceitável.
Ele então se convenceu de que tinha de fazê-la saber de seu sofrimento. E teve algumas boas idéias. Mas quando era hora de colocá-las em prática, algo o segurava. Ela sabe – ele pensava – Ela sabe e simplesmente não se importa.

Olhou no espelho. Odiou suas vestes de homem. Despiu-se. Odiou então o próprio membro. Odiou-se por ser homem e não saber. Se fosse mulher, pensou, certamente saberia o motivo do abandono. Com certeza a essa altura, algum ombro se dizendo amigo, revelaria comentários e desabafos antigos que explicariam o fato. Saberia ele porque havia sido condenado a tão dura pena. Seria digno, como são dignos os criminosos na prisão, a quem não se nega o direito de conhecer a acusação que pesa contra eles. Lembrou com certa inveja, de que mesmo aos assassinos se dá o direito de defesa, o direito de ter sua vida exposta e dissecada em julgamento. O direito de ver os lábios das testemunhas que os destroem moverem-se, e de impor que elas não digam nada até que façam um juramento. E nem aos que se encontram no corredor da morte, aguardando execução, é negado o direito das ultimas palavras. Já as dele, lhe foram negadas. Nada lhe foi perguntado. Nada foi considerado. A ele só couberam a condenação e o silencio.
Talvez fosse ainda pior. Talvez não houvesse um fato, uma desconfiança, um mal entendido. Talvez ela tivesse simplesmente se cansado dele, como cansam tantas vezes os amantes uns dos outros. E tivesse optado por evitar o transtorno de ter que explicar. Talvez não soubesse ela, ou não quisesse, lidar com a tristeza que causava.
Mais uma vez, ele chorou, agora frente à certeza de que nunca saberia o porquê.
Depois, derramou ainda algumas lágrimas que brindaram um passado de sentimentos tão fortes, de um amor inexplicável, de uma ligação incomum, de sonhos, tantos sonhos, que ela havia renegado, e que ele, deveria, com o tempo, aprender a renegar também.
Chorou a solidão. Só ela o completava.

Andou então até o retrato dela, abandonado na estante. Admirou mais uma vez seus traços doces. Correu os dedos, tocando-lhe a imagem dos cabelos. Deixou até que seus lábios tocassem os dela, estáticos e frios, protegidos pelo vidro. Desnudou-a dessa proteção. Pegou a foto, já sem moldura, nas mãos tremulas. Em um impulso violento, quis rasgá-la. Não pode: era ela!
Mas teve forças de agarrar um lápis oportuno que deitava na mesinha. E sob os lábios delicados, pintou-lhe um terrível bigode.


9 comentários:

{vanessa}MM disse...

Olá tavi!

Nossa lindo e profundo texto!!!

voei por aqui rapidinho e acabei pousando lendo seu blog inteiro!!!
lindo !! lindo !! lindo !!

:D

beijinhos carinhosos
{vanessa}MM

tavi disse...

{vanessa}MM,

Obrigadas pelas palavras e por me ler. Seja muito bem-vinda sempre, nesse meu cantinho!

beijos

Janus_Sw disse...

Olá , tavi minha amiga querida!

É muito bom ler esse texto... Vc é uma escritora maravilhosa.
Te convido a visitar meu blog também...
Beijos respeitosos e saudações ao seu Master

₤α fєммє disse...

Lindo
Intenso
Profundo
Sou sua fã.
Leio todos os seus textos, saiba disso rs.

tavi disse...

Janus,
Obrigada mesmo! Vindo de ti, um dos meus escritores favoritos, me senti nas nuvens!

La Femme,

Eu tambem sou sua fã e sempre passo no teu blog.
Beijos mil! Tu es sempre muito bem vinda por aqui!

tavi disse...

muito feliz que tenha gostado, rose!
Beijos mil

lua de Hägar disse...

Olá tavi

Gostei do post.. aliás, sempre bom o que você escreve...

beijos menina..

lua de Hägar

=^.^=

nila disse...

Que bela descrição menina
parabens
eu passo sempre e tem que deixar
uma marquinha né

bjs

nila

tavi disse...

lua e nila,

brigada... adoro suas passadinhas por aqui.
beijos!

tavi